As brigas das eleições municipais

As brigas das eleições municipais
Foto: Montagem/ Bahia Notícias
Nas eleições municipais sempre ocorrem divergências entre candidatos, principalmente quando um deles salta à frente, o que ocorre no momento em relação a ACM Neto. A diferença da sua vantagem é expressiva, de acordo com as pesquisas de opinião. Ele tem 68% da preferência popular, enquanto os demais candidatos ficam abaixo de 10%, tomando como base os 8% de Alice Portugal, do PCdoB, apoiada pelo PT. É muito possível que haja mudanças na próxima pesquisa a ser feita. A consequência dessa circunstância é que os demais competidores se voltaram contra e o atual prefeito, principalmente numa eleição que terá menos de 30 dias. Faz parte do jogo. Choveram, a partir daí, processos oriundos do candidato que está à frente. No caso, os processos de Neto são endereçados a Alice Portugal, Célia Sacramento (que entrou errada no processo eleitoral), e Isidório, que se denomina “O Doido”. É normal. Menos no caso de Célia, vice-prefeita de ACM Neto, que o atacou ao afirmar que ele teria superfaturado obras na orla, citando dentre elas as da Barra e do Rio Vermelho. Presume-se que, mantidos os processos, ela terá que provar. Os demais foram agressões sem sentido, como a de Alice que o denominou de “golpista”. O de Isidório, também processado, não merece crédito nenhum porque ele próprio se denomina “Doido” e, neste caso, vale até jogar pedra. Mesmo assim, este processo eleitoral não apresenta a menor graça e não desperta o qualquer interesse na população de modo geral. É completamente insípido, portanto, sem gosto.