Odebrecht lança nova versão de seu disque-denúncia

 
A Odebrecht lança nesta sexta (26) uma nova versão do seu disque-denúncia, um serviço no qual é possível relatar suspeitas de irregularidades praticadas no grupo. Chamado "Linha de Ética", o novo canal terá duas grandes mudanças em relação ao serviço que existe desde 2014: o atendimento será feito por uma empresa especializada e os denunciantes poderão acompanhar a evolução da investigação. 
 
Até agora o serviço era operado pela própria Odebrecht, o que poderia provocar o receio de que as irregularidades relatadas não fossem devidamente apuradas. 
 
O serviço faz parte dos compromissos da Odebrecht para criar uma companhia ética. A Odebrecht confessou em acordos de delação que movimentou R$ 10,6 bilhões em pagamentos ilícitos entre 2006 e 2014. 
 
"O canal independente é um conforto para quem relata problemas porque poderia haver dúvidas depois dessa crise ética pela qual passamos", diz Olga Pontes, diretora de conformidade da Odebrecht S/A, que só responde ao conselho de administração pelos seus atos. 
 
Outra novidade é que o denunciante vai poder conversar com um especialista. Antes, só era possível gravar a queixa ou relatá-la por e-mail. "A denúncia vai ficar mais rica e detalhada, o que permite que tomemos medidas mais rápidas", afirma Pontes. 
 
No ano passado, o antigo serviço recebeu 3.122 relatos sobre eventuais desvios, 24% deles tinham fundamentos para ser investigados, segundo a Odebrecht. Como resultado da apuração, a empresa demitiu 30 funcionários. 
 
A empresa que vai cuidar do serviço já atende outras 200 companhias com canais desse tipo, segundo Marcelo Forma, sócio da ICTS, escolhida por meio de concorrência. "A questão da independência é essencial para evitar conflitos de interesse. Se o serviço ficar dentro da empresa, o denunciante pode ter de almoçar ao lado do denunciado", exemplifica. 
 
O empresário diz que não chama os profissionais que recebem as denúncias de atendentes, mas de consultores de risco porque todos têm curso superior de direito, engenharia ou cientista político. 
 
A denúncia anônima, segundo Forma, é muito mais eficiente do que uma auditoria interna. "Os resultados são muito mais rápidos", diz. 
O serviço funciona em três línguas (português, espanhol e inglês) nos 26 países em que a Odebrecht tem negócios.