Ilhéus: grávida de gêmeos, mulher acusa hospital de sumir com um dos bebês


A dona de casa Cleidiane Silva dos Santos, que estava grávida de gêmeos, reclama do suposto sumiço de um dos bebês após o parto, que ocorreu no dia 24 de junho, na Maternidade Santa Helena, anexo ao Hospital São José, em Ilhéus, sul da Bahia. 
 
De acordo com o G1, ela conta ter passado mal na hora do parto, que foi cesárea, e ficou sonolenta, por isso viu o nascimento dos bebês. O filho que Cleidiane recebeu se chama Laercio Antony. A outra criança, que se chamaria Bryan Antony, sumiu.
 
Segundo a reportagem, a dona de casa conta que horas antes do parto ela foi avaliada por uma enfermeira, que disse estar tudo bem com os bebês. “Ela falou bem assim: os dois estão bem, porque ela já tinha olhado no negócio [ultrassonografia] que eram dois gêmeos. Ela falou 'tá bem' (sic). Aí ela mandou tomar um banho e ela mandou ir para a sala de parto”, conta Cleidiane Santos.
 
Cleidiane afirma que a última ultrassonografia da gravidez dela foi feita no dia 3 de junho, quando ela estava com 37 semanas. O exame mostrado por Cleidiane confirma que ela estava grávida de gêmeos, e até descreve os dois fetos. A dona de casa ainda disse que foi sozinha para a maternidade. Após o parto cesárea, ela contou como foi que recebeu o filho.
 
"Eles chegaram com uma criança, ainda no outro dia, porque o neném ficou cá embaixo, no berçário. Eu falei: cadê o outro? Aí ele falou bem assim: 'mas só tinha um'. Eu falei não, porque eu vim para a maternidade para ganhar dois e eu estou aqui com a ultrassom, e eu escutei o coração dos dois lá embaixo, e ela [a enfermeira] falou que os dois estava (sic) bem. E como é que vocês aparecem aqui com uma criança só?", contou.
 
Cleidiane mora sozinha e recebe ajuda dos vizinhos para cuidar do filho. Estava tudo pronto em casa pra receber Laercio e Bryan. O caso foi registrado na última quinta-feira (6), na delegacia de Ilhéus. A polícia aguarda as informações do hospital para descobrir o que aconteceu com o outro bebê e vai ouvir funcionários da maternidade.
 
"Nós estamos encaminhando um ofício ao diretor da maternidade para que ele nos encaminhe o prontuário médico de Cleidiane, assim como nos forneça também, tanto o nome do médico que fez o parto dela, quanto de toda a equipe médica que acompanhou o parto, para que essas pessoas, posteriormente, sejam intimadas e ouvidas aqui em audiência. Até porque, nós precisamos, realmente, definir se houve o nascimento de uma ou duas crianças", disse a delegada Andréa Oliveira.