Mesmo absolvido, Vaccari tem liminar para soltura negada pelo TRF4


Mesmo absolvido na última terça-feira (27) na Lava Jato pela acusação de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, teve o pedido de soltura negado pelo desembargador federal João Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).
Agora, Vaccari aguarda a análise, por parte do tribunal, do pedido de habeas corpus feito por sua defesa. 
Ao negar o pedido de liminar nesta quarta (5), o desembargador federal afirmou que Vaccari continuará preso por conta de outro processo, onde há uma prisão preventiva decretada e com outras provas.
A decisão dos magistrados em absolver o ex-tesoureiro foi embasada no argumento de que a condenação foi em cima apenas de delações premiadas, assim, entenderam que as provas apresentadas não eram suficientes. A absolvição de Vaccari foi de encontro ao que havia decidido em primeira instância o juiz federal Sérgio Moro, que o condenou a 15 anos e quatro meses de prisão.