Policiais indiciados por duplo homicídio já estão presos em Lauro de Freitas por outro crime

Cinco pessoas foram presas, dentre elas, quatro policiais, acusadas de participação dos crimes ocorridos em setembro 2016
O tenente-coronel Reni Pereira dos Santos, da Corregedoria da PM, afirmou que dois dos quatro policiais estão detidos no centro de Custódia Provisória, no Batalhão de Choque, em Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador. O PM Henrique Paulo está internado no Hospital Aeroporto e Jonas cumpre prisão domiciliar após passar por uma cirurgia. De acordo com Santos, além de responder pelos crimes, os PMs também vão responder ao processo Administrativo Disciplinar. 


O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa e a Corregedoria da Polícia Militar apresentaram, na tarde desta sexta-feira (14), o resultado das investigações sobre a morte do casal Nélida Habib e Renato Giffoni, ocorrida em setembro de 2016, no bairro do Placaford.

Os policiais militares Ronaldo Pedro de Souza, Henrique Paulo Chaves Costa, Marcos Vinícius de Jesus Borges Ciríaco, Jonas Oliveira Góis Júnior foram indiciados por latrocínio e estão recolhidos na Coordenação de Custódia Provisória, em Lauro de Freitas. Diogo de Souza Ricardo, que também é acusado de participar do crime, está preso no Complexo Penitenciário de Mata Escura.

As investigações apontam que o grupo, preso após ser flagrado por policiais do Batalhão de Operações Policiais Militares, em dezembro, tentando extorquir uma pessoa no município de Camaçari, chegou ao imóvel do casal na tentativa de encontrar objetos de valor.

"A suspeita inicial é de que o tiro que atingiu Nélida tenha sido disparado de forma acidental, o que acabou motivando a execução do marido", explicou o delegado do DHPP, José Bezerra. O filho das vítimas, que também estava em casa no momento da abordagem do grupo, conseguiu fugir.

O coronel Reni Pereira dos Santos, do Centro de Apurações da Corregedoria da Polícia Militar, informou que, com a conclusão do inquérito, um Processo Administrativo Disciplinar será aberto, podendo resultar na demissão dos envolvidos.