Chacina do Cabula: Pedido de transferência para Justiça Federal é debatido nesta terça

Chacina do Cabula: Pedido de transferência para Justiça Federal é debatido nesta terça
O pedido para transferir a tutela do julgamento sobre os assassinatos da chacina do Cabula será debatido nesta terça-feira (29), durante reunião da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal (PFDC/MPF). O Incidente de Deslocamento de Competência (IDC) foi solicitado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a fim de passar a responsabilidade sobre a ação penal da esfera estadual para a federal. A Justiça Estadual absolveu os policiais envolvidos, no entanto, Janot defende que, ao não permitir o andamento normal do processo, a Justiça ignorou informações que poderiam levar o julgamento a um resultado diferente. Em seu pedido, o titular da PGR aponta que não houve tempo nem espaço para instrução adequada dos autos, oitiva de testemunhas, contradição às conclusões da reprodução simulada e outros pontos pendentes para a melhor apuração do caso. Diante disso, o debate vai contar com a presença da procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, do procurador da República, Ubiratan Cazetta, e de familiares dos 12 mortos e seis feridos durante a operação policial que ocorreu no bairro soteropolitano. "As mães, avós, filhos e filhas das vítimas aguardam esclarecimentos sobre a responsabilização dos agentes públicos envolvidos nessa ação, que resultou em quase duas dezenas de vítimas, todas entre 15 e 28 anos de idade", ressalta Deborah. A chacina em questão ocorreu da noite de 5 de fevereiro a madrugada de 6 de fevereiro de 2015, quando nove policiais militares da Rondas Especiais da Polícia Militar da Bahia (Rondesp) entraram na Vila Moisés e atiraram contra um grupo de pessoas que se concentrava no local. Dos 143 disparos, 88 foram certeiros e fizeram 18 vítimas, sendo 12 fatais.