Diretor-geral da Codesal é suspeito de ajudar Geddel a guardar dinheiro; PF encontra digitais

Diretor-geral da Codesal é suspeito de ajudar Geddel a guardar dinheiro; PF encontra digitais
Foto: Claúdia Cardozo / Bahia Notícias
Alvo de mandado de prisão preventiva na quarta fase da operação Cui Bono , deflagrada na manhã desta sexta-feira (8), o superintendente da Defesa Civil de Salvador (Codesal), Gustavo Ferraz é suspeito de ajudar o ex-ministro Geddel Vieira Lima a encaminhar e esconder as malas e caixas que guardavam os mais de R$ 51 milhões encontrados em um apartamento na Rua Barão de Loreto, na Graça, que era usado pelo peemedebista para, supostamente, guardar documentos de seu pai, morto no ano passado. Segundo informações do jornal O Globo, Ferraz foi assessor de Geddel – ele assumiu o cargo na Codesal no início deste ano, por indicação do PMDB. De acordo com informações da TV Globo, além das impressões digitais de Geddel, também foram encontradas digitais de Ferraz nas malas e caixas que guardavam o dinheiro, apreendido durante a Operação Tesouro Perdido, deflagrada na última terça-feira (5). Tanto Geddel, que também foi alvo de prisão preventiva, cumprida por volta das 7h, quanto Ferraz, que já foi preso pela PF, serão encaminhados a Brasília. Na ação desta manhã, quarta fase da operação Cui Bono, além dos dois mandados de prisão preventiva, há também três mandados de busca e apreensão.