Secretaria da Segurança Pública da Bahia lembra data de Combate à Violência Contra a Mulher


No 'Dia Nacional de Luta Contra a Violência Contra à Mulher', a Secretaria da Segurança Pública relembra os avanços na luta pela proteção para às mulheres vítimas de violência. A Bahia dispõe de 15 Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher (Deams), sete novas unidades da Operação Ronda Maria da Penha na capital e interior do Estado e o apoio cada vez mais forte da sociedade no combate ao racismo.

Em Brotas, a ampliação do quadro de delegadas para a Deam possibilitou o registro e a prisão em flagrante do garçom Olegário Pereira de Santos, 67 anos, na noite de ontem (9), no bairro de Sussuarana. Olegário jogou álcool e ateou fogo na esposa enquanto ela dormia. A vítima foi socorrida para a unidade de queimados do Hospital Geral do Estado, mas teve 40% do corpo atingido.

Após a tentativa covarde de feminicídio, o agressor foi localizado e preso. “Não havia nenhum registro anterior de agressão contra ela”, informou a titular da Deam de Brotas, delegada Heleneci Nascimento. A delegada lembrou que a violência deve ser denunciada logo no início para coibir atos dessa proporção.

Heleneci comemorou o aumento do efetivo de delegadas para a unidade. Desde o último mês, o atendimento lá é feito pela titular e outras cinco profissionais que se alternam, sete dias por semana em escala de 24 horas. “Os atendimentos são realizados de forma ainda mais célere”, orgulhou-se.

Os índices também confirmam a opinião da titular, de 1 até 30 de setembro, a unidade registrou 581 ocorrências, instaurou 156 inquéritos, remeteu a justiça 145, solicitou 51 medidas protetivas e prendeu em flagrante 31 agressores. Ameaça foi o crime mais registrado, seguida do crime de lesão corporal. A Deam também conta com o apoio de assistentes sociais e psicólogas.

No estado já existem sete sedes (incluindo a extensão da cidade do Senhor do Bonfim) da Operação Ronda Maria da Penha, unidade da Polícia Militar que atende mulheres vítimas de violência doméstica que possuem medidas protetivas contra seus agressores. Coordenada pela major PM Denice Santiago, a OPRMP anda de braços dados com a Deam. “Somos parceiros”, afirmou a PM.

De acordo com a PM, a data é necessária para manter acesa o combate a todas as formas de violência, física ou social, sofridas por elas. A OPRMP já 1.516 e fiscalizou 6.136 medidas protetivas.